Nunca duvidem do Cruzeiro: o título da Copa do Brasil em 1996

Foto: Divulgação / Cruzeiro

A história do Cruzeiro é marcada por conquistas e glórias eternas. 

Para quem viveu e cresceu na década de 90, um dos títulos mais marcantes ocorreu no ano de 1996.

O Cruzeiro iniciou sua trajetória na Copa do Brasil daquele ano contra o Juventus/AC, com um empate por 1x1 e um 4x0 no jogo de volta.

Nas fases seguintes, jogos igualmente históricos, com destaque para as goleadas por 6x2, contra o Vasco, e 4x0, contra o Corinthians. 

Na semifinal, contra o Flamengo, a classificação veio pelo critério de gols marcados fora de casa. Empate por 1x1 no Maracanã e por 0x0 no Mineirão (isso te lembra algum outro confronto de Copa do Brasil entre Cruzeiro e Flamengo?).

A grande decisão foi contra o todo poderoso Palmeiras. Àquela época, o time paulista era uma seleção de grandes craques, como Cafu, Rivaldo, Luizão, Djalminha e tinha um ataque poderoso, com mais de 100 gols marcados naquela temporada. Era o franco favorito para a conquista do título.

O Cruzeiro tinha em seu elenco jogadores como Dida, Nonato, Fabinho, Ricardinho, Palhinha, Roberto Gaúcho, Cleison e Marcelo ramos. E, apesar de uma sólida campanha durante a competição, não tinha a preferência de grande parte da mídia especializada. A conquista do time do Parque Antártica, aparentemente, era inevitável.

Ledo engano. Eles não conheciam a força e a história do Cruzeiro Esporte Clube, com grandes feitos e conquistas, como o título de 1966, contra o Santos de Pelé.

O primeiro jogo da decisão terminou empatado em 1x1, no Mineirão. Marcelo Ramos, o Flecha Azul, fez o gol de empate celeste. 

Durante os dias que antecederam o segundo confronto, muitos já cantaram vitória do Palmeiras. 

Um fato curioso marcou essa decisão. Na véspera do jogo, o jornal Estado de Minas entrevistou alguns atletas cruzeirenses, como Marcelo Ramos, Cleison e Roberto Gaúcho, em um restaurante. O cardápio à mesa: um porco assado. De acordo com os jogadores, uma coincidência acidental. 

Ainda sem a abrangência e velocidade de informação das redes sociais, a reportagem de primeira página em um grande jornal de Minas Gerais repercutiu muito mal por aqui e em São Paulo. Enquanto a imprensa paulista considerava um menosprezo ao milionário time do Palmeiras, os torcedores do Cruzeiro viam a reportagem como uma forma de motivar o já favorito adversário. 

E, logo no começo do jogo de volta, um balde de água fria para a torcida celeste. Gol de Luizão, para o Palmeiras. 1x0 para o adversário. 

No entanto, o time do Cruzeiro é copeiro. É acostumado a decisões. 

Ainda no primeiro tempo, uma jogada de escanteio curto, daquelas em que o torcedor raiz xinga todo mundo. Um lance totalmente despretensioso, que tinha tudo para dar errado, mas que, inacreditavelmente, deu certo. Uma furada do volante Amaral e a bola sobra no lado direito para Roberto Gaúcho fuzilar o goleiro Veloso. Era o empate do Cruzeiro. 1x1.

O time paulista se lançou ao ataque, em busca do segundo gol. Parou, no entanto, em atuação memorável do nosso goleiro, Dida. As defesas do arqueiro celeste foram milagrosas. Quem quiser e puder, dê uma pesquisada nos vídeos com os melhores momentos dessa partida e vejam os milagres efetuados por Dida. Foi inacreditável.

Enquanto isso, o Cruzeiro buscava jogadas de contra-ataque e incomodava bastante a defesa do adversário. Em uma de nossas boas jogadas, a bola sobrou para nosso maestro, Palhinha. Um toque magistral por cobertura e uma linda defesa de Veloso. 

Logo depois, Roberto Gaúcho fez um belo lance pela esquerda e alçou a bola na área. Mais uma vez, era uma jogada que parecia perdida. A bola fora nas mãos do arqueiro palmeirense. 

No entanto, após vacilo de Veloso, a bola sobrou livre para Marcelo Ramos honrar seu apelido de Flecha Azul, fuzilar o gol adversário e marcar o 2x1 para o Cruzeiro.

Foi o gol do título. O gol do bicampeonato da Copa do Brasil. Um gol para calar os nossos críticos e adeptos do adversário. Nunca duvidem do Cruzeiro. 

Com o final do jogo, a China Azul estava em festa, no Parque Antártica e em Belo Horizonte. Milhares de torcedores recepcionaram o time no aeroporto e acompanharam o desfile em carro do Corpo de Bombeiros por toda a capital. Minas Gerais parou e aplaudiu o feito celeste. O Brasil inteiro aprendeu a não mais subestimar o Cruzeiro Esporte Clube, o Maior de Minas. 

O troféu da Copa do Brasil de 1996, erguido pelo capitão Nonato, nos garantiu na Copa Libertadores do ano seguinte. E isso dá mais um capítulo de nossa memorável e inesquecível história.

Nos vemos na próxima.

Para cima deles, Cruzeiro.

16 comentários:

  1. Realmente, Thiago. Essa foi uma campanha memorável, tive a felicidade de acompanhar. Tínhamos alegria e motivação para assistir os jogos. O Palhinha um ótimo jogador, Marcelo Ramos, goleador, Ricardinho, Nonato e o "Grande Dida", sencacional! Maravilhosa a transação(troca de jogadores)que o Cruzeiro realizou com o são Paulo. Saímos no lucro!

    ResponderExcluir
  2. Eu tenho os ingressos destes jogos no mineirão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1966 Senhas com escalação, placar , resultados e quem marcou os gols .

      Excluir
  3. Esse jogo inesquecível não duvide do maior de Minas

    ResponderExcluir
  4. Jogo inesquecível! Até mesmo alguns cruzeirenses não acreditavam. Porém, eu tinha a esperança de um milagre. E ele aconteceu

    ResponderExcluir
  5. Estava no minerao foi o título que mais vibrei e comemorei de tds que já assisti no Mineirão, te amo Cruzeiro

    ResponderExcluir
  6. Me lembro até hoje ,kkk , imprensa Paulista dava o Palmeiras como campeão, até teve um nobre jornalista paulista que falou que até cortava os pulsos se o Cruzeiro fosse campeão, tal qual era a certeza deles , só que não né, nosso Dida fechou o gol , e fomos no campeões, da-le Cruzeirao cabuloso.

    ResponderExcluir
  7. Me lembro até hoje ,kkk , imprensa Paulista dava o Palmeiras como campeão, até teve um nobre jornalista paulista que falou que até cortava os pulsos se o Cruzeiro fosse campeão, tal qual era a certeza deles , só que não né, nosso Dida fechou o gol , e fomos no campeões, da-le Cruzeirao cabuloso.

    ResponderExcluir
  8. A maior cagada da história do futebol brasileiro!

    ResponderExcluir
  9. Foi o maior título do cruzeiro que tive a oportunidade de assistir. O Palmeiras na época era o que o Flamengo é hoje! Acho que este feito deveria ser mais valorizado pela torcida!

    ResponderExcluir
  10. Esse time existe ainda????

    ResponderExcluir
  11. É melhor voce que torce pelo cruzeiro visitar o museu onde estão as taças que viver de passado . O concorrente em Minas.
    Tem o prefeito de BH e pelo que vejo a inércia de seus torcedores ele se continuar assim vai chegar à governador. Se hoje constrói Estádio como governador . Muito mais. Enquanto hoje vocês só pensam no afogados. Amanhã os afogados serão voces!
    E podem me chingar.saudacoes Rubrunegras.

    ResponderExcluir
  12. Só pra lembrar o Palmeiras nas fases de classificação atropelou o outro time de Minas por 5x0, kkkkkk

    ResponderExcluir
  13. Kkkkkkkkk. Vivendo de memórias de um clubeco falido.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.