Finaliza-se a temporada do (frustrante) centenário

 

Foto: Gustavo Aleixo/Cruzeiro

Foi nesta noite de Quinta-feira, 25 de Novembro de 2021, que acabou oficialmente a temporada que carregou o marco de 100 Anos do Cruzeiro Esporte Clube, um capítulo da história em que se esperava realmente mais versos gloriosos deste "livro" de riquezas, tradições e destaques de peso ao longo destas páginas heroicas imortais e agora centenárias do gigante incontestado.


Infelizmente já diziam que em nossa vida "nem tudo são flores", e o que foi realmente fixado para nós em mais uma parte da caminhada do Cruzeiro neste ano de 2021 foram literalmente frustrações, baixas expectativas e mais reflexões para o futuro celeste, reflexão esta que se faz necessário em todos os setores da instituição que estão lado a lado com o "carro chefe" da nossa entidade e que nos traz imensas emoções: o Futebol.


O ano de 2021 deixou escancarado como um roteiro de puro desgosto, criado por uma desorganização tremenda, defendido por um egocentrismo exacerbado e colocado sem nenhuma prática de boas ações em prol das 5 Estrelas que carregamos tanto.


Este roteiro colocado para nós é o mesmo que ocorreu em 2020, no nosso primeiro contato com a tragédia da Segunda Divisão do Campeonato Brasileiro, sem projeto, sem "norte" e baseado em discursos falsos, ideias falsas ao torcedor que resultaram em constantes lutas pelas ruas, e uma falta mínima de senso e organização pelo nosso objetivo.


Assim o ano de 2021 fez parecer que 2020 não havia acabado, com a insistência em diretores sem visão do que é o Cruzeiro, insistência em técnicos sem currículo, jogadores que chegaram e não duraram muito para sair e fazer queimar o cofre (vazio), pessoas sem visão dentro do campo de como se representa um clube da grandeza do Cruzeiro, discussões constantes com patrocinadores em busca de uma falsa razão, e somente quando estivemos na berlinda em que se falava em pessoas com currículo, treinador veterano, mas quando já era tarde demais, e tudo isso com a canetada e a prática daquele que ainda se diz presidente, se colocando como o "messias" do clube.



Foto: Gustavo Aleixo/Cruzeiro

Mesmo diante de tantas guerras que ocorrem ultimamente, um fator demonstrou a sua força, fidelidade e demonstração de uma conexão tão forte e linda de se ver mais uma vez, que se faz presente em todos os dias dos 100 Anos do Cruzeiro, da sua fundação até os dias atuais, nunca deixou de ser a alma e o coração deste clube tão amado e merece glórias e valores sempre pela eternidade.

A torcida, o maior patrimônio da instituição, demonstra a sua lealdade todas às vezes em que pisa no Mineirão e em qualquer outro estádio, toda vez que busca representar o nome deste clube nas ruas, nos bares, nas redes sociais, e em qualquer outro lugar, se faz presente com uma voz que carrega o escudo em todo canto e ergue a bandeira a cada momento, mostrando o fato incontestável de como somos o clube do povo.

Neste centenário não poderia ser diferente, mesmo perante tamanhas frustrações, indignações com razão, e a ausência daquilo que tanto queríamos enxergar para o nosso futuro, a torcida estava ali, para apoiar, empurrar, trazer uma energia inexplicável a todos, cobrando e lutando pelo Cruzeiro, mostrando que nunca abandonou e nunca abandonará este incrível gigante.

O torcedor merece respeito, reconhecimento, merece acima de tudo ver um time mais forte, mais dedicado, e que nos leve de volta a Série A, o Cruzeiro merece sim, a torcida incrível que possui, quem não merece são os ditos "mandatários" que querem nos assolar e ir em nossa contramão e que devemos ir sempre para a linha de frente contra quem nos prejudica.

Nossa voz jamais deixará de ecoar, e o que o torcedor fez quando se esteve presente contra o Brusque ou contra o Náutico, em partidas que já não agregavam para o futuro do clube na Série B (principalmente a última delas), foi só uma das tantas demonstrações de como esta voz grita e faz um tremendo barulho, com uma mistura de um afeto tão grande e um clamor por mudanças verdadeiras.

Para 2022, fica a nossa esperança, seja baixa ou alta, de que os verdadeiros projetos possam ser implementados e saiam do papel como a SAF, que tragam novamente o Cruzeiro de glórias que tanto adoramos, que aqueles que se dizem ser "o bem que irá vencer o mal" fiquem longes da NOSSA instituição, e acima de tudo que possamos retornar ao nosso lugar em que nunca deveríamos ter saído.

"NUNCA FOMOS TÃO CRUZEIRENSES"



6 comentários:

  1. Chegou ao fim uma temporada que deveria ser eterna; infelizmente o ano de 2021 passou muito rápido.

    ResponderExcluir
  2. Continuaremos torcendo para que em 2022 seja diferente, que o ano que vem o "poxeto do pofessor" de o destino da série C.

    ResponderExcluir
  3. Se a torcida do Cruzeiro continuar infantil, bobinha, acreditando em.mitos(agora é o Pedrinho), em outros malandros que estão aparecendo com discurso de amor ao clube(e tentar uma boquinha), pode se preparar para ver o fim do clube. Estas musiquinhas ridículas , esse apego ao passado, essas declarações de.amor nas redes sociais esse papo ridículo de cabuloso. É hora de voltar a torcer como antes, ser exigente , vaiar, cobrar. Ficar enaltecendo a própria torcida é patético,não torço para a torcida,torço para o Cruzeiro (não para o cabuloso) A SAF não é o que estão pensando, ela pode ser boa para quem já está bem!! E detalhe , pelos.nomes citado como reforços, parece que não aprenderam..cheio de jogadores velhos, ex jogadores em atividade

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não seja ingrato, Marcelo. Os jogadores anunciados são verdadeiros heróis e já demonstraram que amam o clube, portanto, merecem contratos longos e bem remunerados. Vamos torcer!

      Excluir
    2. Sim, contratos de 3 anos com renovação automática se jogarem 4 jogos por temporada com reajuste de 100% no salário. DeSTA forma a torcida poderá gritar o nome do.Manoel, do Hudson e ainda poderá ter o.Henrique de volta. O departamento médico do cruzeiro vai precisar de geriatra. Pedrinho , o novo mito, adora.jogador velho e caro, mas o dinheiro é dele

      Excluir

Tecnologia do Blogger.