A arrancada necessária para voltar à elite do futebol brasileiro: O início da Era Luxemburgo

 

Foto: Paulo Paiva/AGIF/Estadão Conteúdo

    Luxemburgo chegou ao Cruzeiro em busca de realizar uma difícil missão: Resgatar a tradição do Cruzeiro Esporte Clube e conquistar o acesso para a série A. A sequência invicta e que poderia ter resultado em 4 vitórias seguidas, não fossem erros de arbitragem e falta de preparo do elenco em jogar junto um bom futebol (o primeiro problema será resolvido com a implementação do Árbitro de Vídeo e o segundo causado por causa do pífio trabalho realizado pelo "técnico [?]" Mozart Santos) passando pela vitória contra o Brusque, os empates contra o Vitória e o Sampaio Corrêa e a vitória contra o Náutico fora de casa, colocando o Cruzeiro a 10 pontos do G4. Pontos esses, que poderiam ter sido ganhos a muito tempo atrás, caso o presidente Sérgio Santos Rodrigues (como sempre) tivesse escutado a torcida e o maior investidor do clube e não teria contratado Mozart, que ninguém sabe até hoje o que fez no clube além de arrancar pontos e não saber escalar/substituir/criar uma proposta de jogo.


    Mas, virando a chave e falando novamente sobre o Luxemburgo, o técnico que já foi muito campeão no passado e recentemente tem buscado bons resultados mesmo com times mais fracos e ano passado foi campeão paulista com o Palmeiras, chega com a confiança da torcida e com um ótimo início de trabalho, fazendo o elenco mediano jogar futebol e sair dos péssimos resultados anteriores. Em entrevistas, o treinador já demonstrou ter conhecimento do elenco, elogiando e criticando Marcinho para melhor o seu estilo de jogo e posicionamento tático, além de elogiar o meia Marco Antônio e comentar que o posicionamento dele deve ser centralizado, armando as jogadas, como um famoso "camisa 10", algo também muito pedido pela torcida Cruzeirense a muito tempo e que não foi testado por nenhum comandante que passou nos últimos dois anos.


    Acho importante e interessante o treinador chegar conhecendo o elenco, ouvindo a torcida e conhecendo o campeonato. Como disse o Luxa: Série B não é técnica, é força, é o famoso "na bola". Não adianta ter um elenco bonito no papel, muitos dribles e muita catimba se não é decisivo para fazer o gol e buscar a vitória. As Séries A e B são muito diferentes e a possibilidade do pensamento pequeno da diretoria e o desconhecimento sobre a competição, cravando o acesso no ano passado mas sem nenhum planejamento de acesso tenha culminado na manutenção na segunda divisão no ano de 2021. Pedrinho, grande investidor e dono do Supermercados BH já avisava há tempos que o clube precisava de um técnico com peito e conhecimento sobre a competição, uma boa diretoria de futebol e um bom elenco.


    Infelizmente, a vaidade do atual presidente e o gosto de ir contra tudo que é proposto por torcedores e investidores o fez ir contra, e só quando ficou sem saída e com o cargo ameaçado por protestos e uma possível abertura de Impeachment, além de salários atrasados por meses, se viu na necessidade de abrir mão do seu ego e ouvir os seu principal investidor. Já não bastava ter retirado a coroa do escudo do clube, também iria tirar a chance de voltar para a Série A. Agora é esperar para ver, e ter fé que as coisas continuem como estão e encaminhem para ficar melhor. Com os resultados dos outros jogos favorecendo a raposa, vamos aos poucos buscar as vitórias e subir na tabela. O segundo turno vem aí, é hora de buscar a retomada do gigante Cruzeiro Esporte Clube!

4 comentários:

Tecnologia do Blogger.