Fé no maior de Minas: torcida mantém confiança para a recuperação do Cruzeiro na Série B

Foto: Gustavo Aleixo/Cruzeiro

A campanha irregular do Cruzeiro na atual edição da Série B motivou manchetes e páginas esportivas sobre a crise do clube e até sobre uma eventual ameaça de rebaixamento à terceira divisão. Publicações, como uma matéria da Veja, chegaram até a comparar a equipe celeste à Portuguesa e ao Bangu. Porém, a torcida mineira se mantém firme e acredita na recuperação do maior time do estado, apesar de todas as adversidades enfrentadas pelo Cruzeiro.


A desconfiança externa sobre o Cruzeiro


Após o desempenho ruim em campo e a sequência inconstante de vitórias e derrotas, a imprensa ‘caiu matando’ em cima do Cruzeiro. Jornalistas da TV têm criticado duramente a equipe celeste. Ainda durante o comando de Enderson Moreira, o comentarista Mauro Cezar Pereira, da ESPN, deu sua opinião sobre o time.


“Situação terrível do Cruzeiro. O time é uma bagunça, time muito mal, o jogo não flui. E o elenco não é barato em relação aos outros times da Série B, é um elenco caro e de um nível melhor. Mas não apresenta jogo coletivo, não apresenta nada”, disse Mauro Cezar na ESPN Brasil.


A repórter Fabíola Andrade, do Canal Globosat, citou a diretoria anterior do Cruzeiro e ressaltou a magnitude da crise na equipe mineira, além de questionar a escolha dos atuais diretores pelo treinador Ney Franco, eleito para o cargo deixado por Enderson Moreira.


Foto: Gustavo Aleixo/Cruzeiro

“É de longe a pior situação de um time grande que já vi no Brasil. Mesmo o Vasco tendo caído três vezes, o Cruzeiro parece que só está piorando com o tempo. E, com todo respeito ao Ney Franco, ele não está em uma primeira prateleira de treinadores do Brasil. O Cruzeiro ficou com o Ney Franco porque não tinha como contratar outro. É o que dava para pagar”, citou Fabíola.


Além dos comentários esportivos, outro parâmetro ilustra a queda da confiança externa na campanha do Cruzeiro na Série B 2020/21: o mercado de apostas esportivas. As odds das casas são calculadas com base no favoritismo das equipes para determinado confronto. Logo, quanto maior a chance do time vencer, menos se paga, já que o objetivo é valorizar os resultados menos prováveis em relação às obviedades. Tal critério justifica o próprio ato de 'apostar' significando 'investir no incerto'.


No confronto contra o Botafogo-SP, que marcou a estreia da Raposa na Série B, os maiores sites do segmento de apostas chegaram a oferecer R$6,50 para cada R$1 apostado na vitória do paulistas contra apenas R$1,48 para cada R$1 creditado ao triunfo mineiro. Com o decorrer das rodadas, o Cruzeiro perdeu pontos importantes, inclusive dentro do Mineirão (onde era para reinar absoluto), sofrendo derrotas para Chapecoense e América-MG.


Então, para a partida contra o Avaí, em Belo Horizonte, muitas casas de apostas registraram odds em torno de R$5 para cada R$1 creditados à vitória da equipe catarinense; e cerca de R$1,60 para o triunfo mineiro.


Após a vitória por 3x0 contra a Ponte Preta no Mineirão, a tendência é que o Cruzeiro retome um pouco da confiança do mercado de odds. Mesmo assim, a flutuação dos valores das apostas mostra que a equipe mineira não é vista como franca favorita para todos os jogos como se esperava ao início do torneio nacional.


O Cruzeiro não é sua antiga diretoria


Foto: Bruno Haddad/Cruzeiro


De fato, o Cruzeiro merece críticas pelo seu desempenho em campo. Enderson Moreira não conseguiu dar padrão de jogo para o time, Ney Franco ainda persiste com problemas. Paralelamente, jogadores não rendem o que se esperava para um ano de recuperação.


Porém, o Cruzeiro tem sofrido de ‘críticas por contaminação’ das ações de sua antiga diretoria. Os administradores deixaram marcas profundas que mancharam a imagem do clube, ‘detonado’ de fora para dentro muito por conta das impressões formadas pelas atitudes de seu presidente e de seus diretores.


A herança maldita que ainda se impregna no Cruzeiro dificulta a recuperação do clube: aquisições questionáveis de jogadores – como o retorno de Sassá após expulsão do Coritiba –; trocas incessantes de treinadores; falta de confiança no trabalho; e titularidade de atletas que rendem abaixo do esperado.


Porém, é preciso relembrar que o Cruzeiro não é só sua diretoria – nem a anterior, nem a atual. Há muita gente série no clube, que luta diariamente para tirar o time dessa situação difícil, inclusive os próprios jogadores. Em entrevista após a derrota para o Avaí, o treinador Ney Franco ressaltou o esforço dos atletas no jogo.


“Esses atletas fizeram de tudo no jogo, se entregaram para que a gente conseguisse transferir para o jogo o que a gente tinha treinado. E a gente percebeu essa frustração de mais um jogo que o grupo tinha uma expectativa enorme de vitória”, citou Ney Franco, que ainda valorizou a entrega dentro de campo.


Foto: Cruzeiro


“Não está faltando entrega dos atletas. Os atletas estão sentindo a derrota. A gente viu o Fábio postando na rede social o sentimento que está tendo como atleta e como torcedor. Eu te digo que aqui dentro nós temos muitos jogadores sofrendo tanto quanto o torcedor e os dirigentes do clube. Esses atletas estão sofrendo muito com essa falta de resultados na competição. Esse é o grande desafio”
, citou Ney.


O goleiro Fábio é, sem dúvidas, a principal liderança e a maior referência do elenco. O camisa 1 comentou os impactos negativos da situação do Cruzeiro, mas mostrou força para seguir firme em busca do retorno à elite do futebol brasileiro.


“A maior preocupação minha é fazer com que o Cruzeiro possa, em janeiro, estar no devido lugar dele, deixando o torcedor feliz, que com certeza serei o cara mais feliz junto com os mais de 9 milhões de torcedores. Tenho certeza que será uma alegria ímpar, que ficará marcado na minha vida”, citou o jogador, que encerra seu contrato em dezembro de 2020 e ainda não renovou.


O que o Cruzeiro precisa fazer?


Apesar da desconfiança externa e da pressão interna pelos resultados, o Cruzeiro precisa ‘acertar a casa’ para se recuperar na Série B. O presidente Sérgio Santos Rodrigues e sua diretoria devem afastar qualquer polêmica administrativa e se concentrarem totalmente na manutenção do foco do time no campeonato.


Os problemas da antiga administração não devem interferir na gestão atual, e o Cruzeiro precisa deixar as responsabilizações para as reais autoridades que podem cuidar dos casos. O objetivo é afastar qualquer clima de instabilidade do elenco e dar respaldo para o trabalho do treinador.


Foto: Cruzeiro


Dentro do vestiário, é função dos mais experientes do elenco não deixarem o abatimento e as preocupações internas interferirem no rendimento da equipe. Nomes com história no Cruzeiro, como Fábio, Marcelo Moreno, Henrique e Léo, precisam ‘segurar a bronca’ e liderar os demais, ensinando o que é o Cruzeiro para os mais jovens.


Outros jogadores experientes, como Marquinhos Gabriel, Manoel e Jean – apesar da lesão até 2021 - precisam mostrar a ‘contaminação’ pelo amor ao clube e auxiliar as lideranças no processo de recuperação. Os mais jovens e os desacreditados, como Sassá, podem aproveitar a oportunidade para evoluir e mostrar sua capacidade de desempenhar um bom futebol. Com foco total, o rendimento pode melhorar e a pressão ser aliviada para propiciar dias melhores ao Cruzeiro.


Além disso, os fantasmas do passado devem ser deixados para trás. As polêmicas de Thiago Neves, por exemplo, ficaram em 2019 e não devem fazer parte das lembranças do time. Com um grupo fechado e com cooperação entre os atletas, o Cruzeiro consegue se organizar para ser cada vez mais forte.


Foto: Bruno Haddad/Cruzeiro


Após a vitória sobre a Ponte Preta, o zagueiro Manoel mostrou esse afinco pelo Cruzeiro e puxou a palavra aos jogadores.


“A gente sabe que algumas cobranças acontecem, o Cruzeiro é muito grande, sabemos disso. Temos que ficar tranquilos, sabemos que temos qualidade, mas só a camisa não joga. A gente precisa dar mais e foi o que aconteceu hoje. A gente brigou do começou ao fim. Tivemos várias oportunidades no primeiro tempo de fazer até mais. Mas valeu o espírito, a luta, e temos que manter esse nível de concentração”, citou Manoel.


Confiar na torcida


Infelizmente, o Cruzeiro entrou nessa situação difícil em um ano atípico em que sua torcida não pode estar nas arquibancadas. O apoio de um Mineirão lotado faria toda a diferença para embalar a equipe celeste nos jogos, mostrando a força da união entre torcedores e jogadores.



Apesar disso, nas redes sociais, a torcida do Cruzeiro demonstra que não vai abandonar o time. Mesmo com os protestos e com os problemas, o amor pela equipe mineira supera as dificuldades dos jogos ruins e da inconstância.




Após o resultado positivo contra a Ponte Preta, a confiança e a fé no time aumentaram, já que mais umas três vitórias já levam o time para a briga na parte de cima da tabela. A Série B é bastante competitiva, logo, os times não vão ganhar sempre, o que dá bastante fluidez para lutar pelas primeiras posições.



7 comentários:

  1. Eu como torcedor.Acho que o Cruzeiro não cai mais.Vamos conseguir se manter na série B.kkk

    ResponderExcluir
  2. Vamos cuzeirinho a serie C c c c c c c c c c c c cc. C c c cc cc c c eh logo ali, o fundo do poço nao chegou ainda, falta cavar mais um pouquinho.

    ResponderExcluir
  3. Só esqueceram de combinar com o Cuiabá.... Time na zona de rebaixamento da segundona, devendo e dando calote em todo mundo... Botando fé em Sassá, mais roliço que um leitão, Giovanni, outro leitão, Índio e Angulo... Como ter esperança??? Como acreditar??? Não adianta tentar desvincular a diretoria anterior do clube!!!! Eles foram eleitos legalmente para representar a instituição!!! Quem elegeu?? Quem não fiscalizou??? Quando ganharam títulos às custas de tramoias, falcatruas e calotes todo mundo apoiou e comemorou e agora????

    ResponderExcluir
  4. O time ainda nao entendeu que esta eh a realidade. Serie B eh briga de foice no escuro.Pare com este lenga ,lenga de pensar que eh time grande.Caminha a Passos largos para permanecer na serie B ou mesmo ir para a serie C.

    ResponderExcluir
  5. Maior de Minas???? Faz-me rir. Esse blog é uma piada, igual a torcida mais arrogante do país. Rumo a série C...

    ResponderExcluir
  6. Time grande não cai... Desaba! Implode!

    ResponderExcluir
  7. Vou te falr uma coisa .. Enauanto essa velharia dos que empurraram o time estiverem no clube .. Vai somente piorar.. Seric C é somente o inicio possivelmente Serie D. Esta surgindo um novo Santa Cruz... Enquanto mantiverem qualquer pessoa pirincipalmente os jagadroes do anao passado nao vai sair do lugar.. e outra esse técnico....o cara escala Herique... ai nao da nem para comentar

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.