Header Ads


Dedé, o grande destaque do Cruzeiro em 2018

Foto: Vinnicius Silva / Cruzeiro

O ano de 2018 foi muito bom para quem é torcedor do Cruzeiro.

Vamos falar a verdade, ser hexacampeão é sensacional; um feito para poucos!

Durante nosso caminho na rota de grandes conquistas, tivemos muitos destaques individuais e, por isso, seria uma tarefa difícil eleger apenas um deles como o grande destaque do ano.
Na escalação da maioria dos cruzeirenses, 3 jogadores são titulares absolutos: Fábio, Dedé e Arrascaeta. Claro que outros jogadores foram importantes durante a temporada, como Léo, Egídio, Lucas Silva, Robinho e Thiago Neves, mas os 3 citados anteriormente foram excepcionais, acima da média.

O goleiro Fábio dispensa comentários. Se todo grande time começa por um grande goleiro, ele é responsável pelo Cruzeiro ser esse clube gigante. Além de um líder de grupo, com mais de 800 jogos com o manto celeste, nosso camisa 1 faz a diferença nos momentos decisivos e mostrou isso mais uma vez em 2018. Quem achou que Fábio não voltaria a ser titular, após uma grave lesão em 2016, se enganou completamente. Não apenas ele retornou ao time titular, como voltou em altíssimo nível.

Se em 2017 ele defendeu pênaltis na semifinal e na final da Copa do Brasil, neste ano foram 3 defesas consecutivas na partida contra o Santos, válida pelas quartas de final. Para quem estava no estádio, foi um momento inacreditável. Tenho muita sorte em poder dizer: eu vi Fábio fazer história dentro do Mineirão! Fica apenas uma dúvida: cadê aquela estátua para o nosso goleiro? Gostem ou não, é ídolo.

Já o nosso camisa 10, Arrascaeta, provavelmente vive o seu melhor momento no Cruzeiro. Se ele foi criticado no começo de sua trajetória com a nossa camisa, acredito que até justamente, não podemos dizer o mesmo destas 2 últimas temporadas do jogador uruguaio.

O cara fez 2 gols em 2 finais de Copa do Brasil, um no Maracanã e outro no Itaquerão. Que jogador decisivo! E, neste ano, ainda teve a questão de sua convocação para a seleção uruguaia, que quase o tirou dos dois confrontos da final contra o Corinthians. Em um esforço da diretoria, Arrascaeta chegou a São Paulo poucas horas antes da finalíssima, entrou durante o segundo tempo, teve calma e categoria para dar aquela cavadinha e encobrir o goleiro adversário. Já podemos começar a hashtag Fica Arrascaeta?

Mas nada se compara à volta por cima do zagueiro Dedé. Após anos de lesões em sequência, vários procedimentos cirúrgicos, tentativas frustradas de voltar aos gramados, poucos acreditavam que o camisa 26 celeste conseguiria atuar em bom nível novamente.

Acho que nem mesmo Dedé imaginava isso. Muitos já torciam para que ele pelo menos conseguisse jogar futebol, bem ou mal, mas que voltasse a fazer aquilo que tanto ama.

Mas não, ele voltou jogando ainda mais, com uma força inacreditável, com tempo de bola preciso, para tirar as bolas aéreas, para desarmar pelo chão, sair jogando com qualidade, com poder de recuperação e de decisão no um contra um. Em alguns momentos, parece que Dedé está em todos os lugares do campo; vai para o ataque e, quando menos esperamos, já fez a recomposição na defesa. Por essas e outras, é chamado de “Mito”.

É indiscutível que Dedé é o melhor zagueiro em atividade no Brasil e, sem sombra de dúvidas, um dos melhores que já vimos jogar com a camisa do Cruzeiro.  É zagueiro com nível de seleção brasileira (e deveria ser titular).

Por toda essa determinação e força de vontade, pelo árduo trabalho para o retorno aos gramados e por toda a dedicação ao manto celeste e à torcida do Cruzeiro, afirmo: Dedé foi o “cara” em 2018. E merece demais. Que no próximo ano você reverta a injustiça que lhe fizeram na Copa Libertadores, Mito.

Em 2019, ainda não sabemos o que pode acontecer; quem será o destaque. Só esperamos que com Dedé, Fábio, Arrascaeta e outros grandes jogadores possamos conquistar, mais uma vez, muitos títulos.

A única certeza, ah, pode acreditar, é que ser Cruzeiro é bom demais!

Dá-lhe, Zero!

Um comentário:

Tecnologia do Blogger.