Header Ads


Que o Cruzeiro não esteja de braços cruzados durante a Copa do Mundo

Foto: Sérgio Roberto Oliveira / Lightpress / Cruzeiro

Com a chegada da Copa do Mundo, o Cruzeiro ganha uns dias de descanso.

E que os jogadores aproveitem bem esse período sem jogos oficiais para recuperarem o bom futebol. Após um mês de Maio excelente, a torcida ficou esperançosa por uma melhor colocação no Campeonato Brasileiro. No entanto, das últimas quatro partidas, o Cruzeiro venceu apenas o Ceará. Foram dois empates, contra Vasco e Paraná e uma derrota para a Chapecoense.

O calendário desse ano não foi nada bom para as equipes brasileiras; um pouco pior do que estamos acostumados. Os campeonatos estaduais começaram mais cedo e, com isso, não tivemos uma pré-temporada adequada. No meio do caminho, as competições foram apertando a cada semana; principalmente para nós, ainda na disputa de três competições.

Até a metade da temporada, o Cruzeiro já faturou o título do Campeonato Mineiro, se classificou para as oitavas de final da Libertadores, teve um confronto pela Copa do Brasil e ainda se mantém com chances no Brasileiro. Poderia ser um primeiro semestre ainda melhor, mas o desempenho no campeonato nacional ainda deixa a desejar. O ataque não tem funcionado e até a nossa defesa tem falhado mais que o normal.

Parece que o time sentiu o cansaço pela maratona de jogos. O Cruzeiro teve jogos muito complicados e cansativos. A começar pela final do campeonato estadual, contra o Alt.Mineiro, na qual fomos derrotados na primeira partida e tivemos que reverter o resultado no Mineirão. Depois, pela recuperação no segundo turno do grupo 5 da Libertadores; após apenas 2 pontos no primeiro turno, conseguimos três vitórias seguidas e a classificação.

Tudo isso acabou por desgastar muito a equipe e isso era visível nos últimos jogos. A qualidade do elenco foi colocada à prova e algumas questões foram levantadas pela torcida: média de idade do time e necessidade de reforços.

De fato, o elenco do Cruzeiro é repleto de jogadores experientes: Fábio, Egídio, Thiago Neves, Edílson, Rafinha, Henrique, e outros. No entanto, devemos colocar essa experiência a nosso favor. O técnico Mano Menezes poderia utilizar melhor a categoria de base e colocar jogadores mais jovens, mas esbarra no próprio torcedor cruzeirense, que parece ter pouca paciência com os jogadores da base. Ainda assim, acredito que o Campeonato Mineiro seria uma melhor oportunidade para dar minutos de jogo aos jogadores vindos do sub-20 e isso não é feito por aqui.

Além disso, o torcedor percebe que o Cruzeiro precisa ir ao mercado para contratar reforços pontuais. Acredito que as prioridades são jogadores mais velozes no ataque, para tirar essa lentidão excessiva que permeia o time de tempos em tempos, uma sombra para o apagado Thiago Neves e um lateral direito para disputar posição com Edílson, que tem jogado pouco, já que Ezequiel é um reserva pouco confiável e Lucas Romero deveria ser aproveitado no meio de campo celeste.

Será preciso que o técnico Mano Menezes amplie o seu repertório de táticas e estilos de jogo. O Cruzeiro se tornou, por algumas vezes, um time previsível e pragmático. Parece só render quando a corda está no pescoço. Todos os jogos deveriam ser tratados como importantes.

O segundo semestre promete um calendário ainda mais apertado e com jogos decisivos em torneios de mata-mata. Vamos precisar que a torcida volte com todo apoio, da mesma maneira que foi até agora, para carregar esse time, mesmo quando o cansaço bater.

Por fim, um domingo sem Cruzeiro não tem a menor graça. Teremos que nos contentar com os jogos da Copa do Mundo. Mas esperamos que a diretoria não esteja de braços cruzados e que o Cruzeiro volte desse recesso com vontade de vencer, com um espírito diferente desses últimos jogos.

Para cima deles, Cruzeiro.

Um comentário:

  1. Tomara que alguém da diretoria lhe ouça e se mexa, pois antes os lesmas eram só Henrique e Ariel. Agora aumentaram, pois Tiago Neves, Robinho e Edílson também se incorporaram ao elenco dos que entramem campo e fingem jogar. Ai fica difícil, pois jogar com 8 contra 11 é impossível vencer! Não sei o que o MMenezes fica fazendo o dia todo na Toca e não vê o que a torcida percebe com 15/30 minutos de cada jogo. Além das omissões do Mano quanto aos falso atletas, há também as omissões do Djian e do Itair, porque não tem moral para exigir do Mano o que a torcida pede!

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.