Header Ads


Campeonato Brasileiro: ainda dá para sonhar?

Washington Alves / Light Press

Após a conquista da Copa do Brasil, muito se discutiu o paradeiro do Cruzeiro no Campeonato Brasileiro, já que o título carimbou a vaga direta na Libertadores, tirando todo o peso da equipe celeste na classificação do campeonato nacional. Entretanto, os comandados de Mano Menezes estão subindo na tabela e são os primeiros colocados do returno. Diante disso, é possível sonhar com mais essa taça?

A partida de hoje contra o Grêmio, lá no Sul, será fundamental para os últimos planos do ano da gestão Gilvan Tavares. O Corinthians passa por um momento de instabilidade, o Santos não consegue jogar da mesma maneira fora de casa e o Grêmio perde muito sem Luan. 

Apesar das limitações ofensivas, a defesa tem segurado as pontas e o nosso meio-campo tem sido criativo, ajudando os companheiros de ataque a fazer os resultados. Thiago Neves e Rafinha são os destaques dos últimos jogos. Depois de ter encerrado o jejum de gols, mesmo em má fase, Rafael Sóbis está confiante e pode ser bastante útil nas rodadas que faltam.

Teremos um duelo dificílimo esta noite. Mas se queremos sonhar ainda mais alto devemos começar com uma vitória diante do tricolor gaúcho. Dá para ganhar. Ser campeão? Quem sabe. Em um campeonato tão atrapalhado como o nosso, não dá para cravar nada. 

4 comentários:

  1. São ótimas perguntas, será que vamos chegar a mais um título importante neste ano? De todo o meu coração eu espero que sim, e acredito que o Cruzeiro pode sim e só vou parar de acreditar quando não houver mais nenhuma chande. Pra frente Cruzeiro, é o maior de Minas e e ainda vamos ser o melhor do mundo. Um abraço galerinha do bem querer.

    ResponderExcluir
  2. Parece absurdo sonhar com o titulo bo BR,mas enquanto tiver chances matematicas,porque nao?A vitoria sobre o Gremio hoje foi muito animadora.Esse time que nos representa,mostra muito porque.

    ResponderExcluir
  3. acho dificil mais nao impossivel

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.