O incrível "efeito Luxa" e seu projeto ameaçado pelo insistente egocentrismo

Foto: Bruno Haddad/Cruzeiro

O Torcedor do Cruzeiro viu uma equipe mudar totalmente a sua cara e o seu estilo em relação ao que vinha sendo antes da vinda de Vanderlei Luxemburgo, o "efeito Luxa" traz a face do que realmente deveria ser um projeto de acesso para a Série A, mas que no cenário de hoje sofre com as sequelas deixadas pela diretoria.

O estilo de jogo diante de um elenco que se mostrou limitado o tempo todo durante o Campeonato Brasileiro da Série B chegou a ser "irreconhecível" para muitos torcedores, um Cruzeiro que diante do comando de quem realmente tem currículo passou a ter mais agressão ao adversário, que não se acovardou e se impôs diante das fraquezas, que mesmo com a limitação defensiva que necessita ser resolvida e é hoje o maior desafio, traz uma perspectiva diferente da que se tinha antigamente.

A imensa experiência de Luxa trouxe uma constante evolução ao clube, jogadores que antes tinham uma limitação imensa souberam se alinhar diante dos desejos do professor, a construção tática tomou forma e um padrão melhor quando antes nem sequer padrão existia, a valorização de jogadores da base vem rendendo frutos e pretende render ainda mais, Luxemburgo visa resgatar uma filosofia de base que há anos não se via no Cruzeiro de forma sólida e concreta, tentando mostrar o que deve ser realmente o Cruzeiro Esporte Clube dentro dos gramados, e a partida diante do Coritiba e do Botafogo foram básicos exemplos disto.

Muitos podem arriscar a dizer que há muito tempo não se tinha um Cruzeiro com tanto encanto, com tanto gosto, que traz alguma esperança para aqueles que vivenciam o dia a dia do clube, Luxemburgo é a cara ideal de um projeto, no qual necessita ser construído para 2022, visto que é praticamente nulo o nosso retorno para a Série A neste ano, mas que se tornou a esperança de praticamente toda a nação azul perante tantas dificuldades, pois quando se possui alguém que entende a maioria dos anseios do torcedor e dos traços que precisam ser alinhados, podemos afirmar que a mudança existe.

A ameaça egocentrista que tem um nome com uma sigla de três letras


Foto: Reprodução/YouTube do Cruzeiro


Infelizmente nem tudo é perfeito quando a cara da mudança tenta sair para fora e salvar o nosso Cruzeiro, por mais uma vez a Diretoria executiva comandada por Sérgio Santos Rodrigues novamente destila o seu veneno de arrogância e egocentrismo diante dos torcedores, contribuintes, investidores e do elenco.

O mesmo que, em uma imaginação fértil que mais dá as caras de um discurso de comício político, que em seu "fantástico mundo de Bob" teve a audácia em soltar supostas promessas como é o caso dos salários, novamente deixou de cumprir suas obrigações, fazendo funcionários que estão se dedicando diariamente pelo andamento do Cruzeiro tendo um salário mínimo no papel deixando de receber há SEIS MESES, os jogadores e até jogadoras que mostram em sua maioria querer carregar nosso escudo não recebe por seu esforço.

Enquanto toda essa crise ocorre no clube, provocando uma greve geral que é necessária até demais para que a voz tome estrutura, o presidente viaja em tour pela Europa, palestrando sobre "desafios da gestão moderna do futebol no Brasil", eu pergunto a você leitor, qual é a cara da gestão moderna que o Cruzeiro possui? Qual desafio vem sendo combatido realmente? Afinal, existe realmente algo que possamos chamar de gestão dentro do nosso clube?

E novamente o presidente insiste em atacar o torcedor em suas palestrinhas, destilando gratuitamente que a incompetência está na arquibancada por não apoiar uma gestão tão imunda e omissa, o mesmo presidente segue colocando a cara do torcedor como um leigo e desnecessário ao Cruzeiro, querendo se mostrar como o "messias" da instituição, algo propagado até mesmo por seus apoiadores incondicionais com o discurso de que "o bem irá vencer o mal".

Alguém que coloca realmente em prática a suposta "gestão moderna" não teria a vaidade e a incompetência em trazer pessoas como Rodrigo Pastana, insistir em Deivid, trazer e insistir em Mozart Santos que veio em menos de 24 Horas após a demissão de Felipe Conceição, não teria a falta de noção em realizar gastos com atletas que chegaram, não entraram em campo e já foram embora recebendo dinheiro, insistir em não escutar o torcedor que sempre teve a razão, desde a saída de Enderson Moreira, a vinda de Ney Franco, e que até hoje mostra como tem razão.

O roteiro de 2020 se repete em 2021, resultando em mais um ano no inferno chamado Série B, que novamente por pura incompetência, afastou pessoas que realmente querem o bem do clube, trouxe quem eram falsos "reis do acesso" sem currículo e sem a cara do Cruzeiro para nos sangrar no campeonato e só depois trazer quem realmente entende do clube, mas que assume em situação caótica quando já é tarde demais.

O verdadeiro grito de quem avisou o cenário que viria


Foto: Bruno Haddad/Cruzeiro

Quem ouviu as palavras de Pedro Lourenço ao fazer a sua forte contestação e com razão em Nova Lima após entrevista em um jogo do Mineiro Módulo II no dia 2 de Outubro, viu que as suas palavras foi realmente um grito em defesa da bandeira da torcida (auxiliando incontestavelmente a derrubar Rodrigo Pastana), quem esteve presente próximo do empresário no Estádio Municipal Castor Cifuentes viu como sua revolta estremeceu a diretoria, a mesma diretoria que do desespero após as declarações acabou optando em partir para a vaidade novamente.

Não é a primeira vez que a "gestão" de SSR insiste em virar as costas para personagens essenciais como Pedrinho e torcedores, o mesmo já avisava qual poderia ser as consequências na Série B antes mesmo do Campeonato Brasileiro começar, querendo que alguém que possuía realmente a cara e a coragem assumisse o comando técnico após a eliminação no Campeonato Mineiro, mas que se viu simplesmente ser ignorado, afinal, de que adianta procurar soluções financeiras com alguém que busca ser parceiro do Cruzeiro quando o mesmo é constantemente ignorado e observa seu auxílio sendo queimado?

O torcedor avisou com razão, Pedro Lourenço avisou, praticamente todos próximos a esta cúpula avisaram quais seriam os riscos dessa soberba exacerbada, e agora quem paga a conta somos nós, que se contenta em vivenciar mais um ano infernal na Segunda Divisão, e que agora deixa evidente que a mudança que tanto se esperava principalmente com Vanderlei Luxemburgo fica à corda bamba, e o 2022 do nosso amado clube carrega uma série de dúvidas sem ter planejamento.

Uma coisa é fato, não existirá projeto 2022 enquanto Sérgio Santos Rodrigues for presidente e interferir no futebol da instituição, ou o mesmo toma a atitude de renunciar do cargo, ou o projeto SAF isole totalmente a sua presença do futebol, ou então nós podemos esperar que mais soberbas e egocentrismo nos jogue em mais um precipício no ano que vem assim como 2021 que não ocorreu nenhum planejamento em prol do nosso objetivo, o retorno para a Série A.

Este é o grito: FORA SSR!

5 comentários:

  1. COM ESSE PRESIDENTE O CRUZEIRO PRECISA DEFINIR SE QUER SER UM CLUBE COM FUTEBOL PROFISSIONAL OU SER UM TIME AMADOR . COPA ITATIAIA AGRADECE

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Grêmio está indo pro mesmo caminho o técnico atual está destruindo o imortal tricolor.

      Excluir
  2. Gostei muito do texto, parabéns!

    ResponderExcluir
  3. O clube deve muito!fazer críticas e facil!quero ver alguém sem dinheiro pegar uma bomba dessa.

    ResponderExcluir
  4. Essa maldita diretoria que administrou nosso clube acabou com tudo!

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.